Estou assustado ! O google sabe tudo sobre mim

Como a tecnologia e a praticidade dos aplicativos me acompanham e detalham tudo o que faço…

Foram mais de 5.000km percorridos, varios locais visitados e uma infinidade de mais de 800 fotos tiradas a partir do meu smartphone apenas no inicio de 2018. E tudo isso em trabalho de consultoria e treinamento para o varejo. E , o melhor, não foi preciso calcular as rotas ou fazer contas mirabolantes para chegar a esses números. Os dados estão disponíveis em uma nuvem montada pelo google e disponível mediante uma senha de acesso ao site: http://www.google.com/settings/ads/.

Com o auxílio do GPS do meu celular o servidor de internet calculou, durante estes meses, todos os meus passos – inclusive nos momentos em que o sinal de minha operadora de telefonia móvel estava desligado. Diversas rotas foram mapeadas mostrando, em uma espécie de linha do tempo, as fotos que tirei nos locais onde estive em ordem cronológica.

É uma loucura!!! Ele sabe que estou parado ou estou trabalhando na evarejo?

Se eles sabem tanto assim, imagina o quanto ela sabe ou deduziu sobre o seu perfil online, com base no meu comportamento?

Com base nisso, o Google agora utiliza destas informações para me oferecer anúncios no meu perfil.

Se as informações acima descritas te assustam, pare para refletir sobre o quanto sua vida, seus hábitos e seus gostos estão diretamente atrelados com a tecnologia. Aplicativos permitem com que o usuário escute as músicas que quer, gerencie o dinheiro, controle a quantidade de calorias ingeridas na alimentação e até pleiteie encontrar um amor. A praticidade é tamanha que muitos pensam que nunca vivemos estivemos tão conectados e próximos.

Mas a pergunta a ser feita é: o quanto a tecnologia está substituindo o fator humano? E será possível estimar consequência disso?

Sucesso de audiência, a série de televisão ‘Black Mirror’ examinam a sociedade moderna e as consequências imprevistas das novas tecnologias. O ‘espelho negro’ (na tradução para o português) faz menção à tela fria de uma TV, de um monitor ou de um smartphone.

A provedora global de filmes e séries de televisão Netflix monitora a frequência de acesso dos usuários ao programa. Mensagens como ‘Você ainda está assistindo?’ após um longo período de inatividade e atualizações sobre a visualização contínua de conteúdos considerados perturbadores.

Em dezembro do ano passado, a plataforma enviado um e-mail a um usuário que passou uma semana vendo séries perguntando se estava tudo bem após seus hábitos de consumo mudarem por conta de uma crise na saúde mental. Elogiada por alguns, a medida também levantou o debate sobre privacidade.

Hoje o ser humano é parte máquina e em um tempo onde a tecnologia é tão latente os números de casos de depressão e suicídio também estão aumentando. Vivemos um processo delicado onde estamos rodeados de pessoas e ao mesmo tempo sem ninguém

Vale a reflexão! Afinal o varejo esta preparado para utilizar desta tecnologia?

Ederson Varejo – Coach do Varejo

 

Deixe uma resposta