Socorro!!! Eu tenho ruptura em minha loja

Em uma pesquisa recente da Accera ( apresentada pela revista supermercado moderno SM) em 64 lojas de diversos formatos no eixo Rio de Janeiro e São Paulo,  deixaram vários varejistas de cabelo em pé.

Você sabia que quase a metade do seu consumidor (47,8%) quando não encontra o que procura, muda de loja ou não compra nada? Ou seja, é prejuízo certo para o varejista que não esta atento a este mal.

A pesquisa apontou um índice de 13,6% de ruptura de itens dentro de loja e desses 5% diz respeito à falta de produto efetivamente; 4,6% é estoque virtual; 3,1% corresponde à gôndola não abastecida; 0,7% é estoque negativo; e 0,1% refere-se a problema de cadastro.

Se olharmos atentamente para os números, podemos diagnosticar um erro efetivo de operação na loja pode tem a participação expressiva no que diz respeito a falta real do produto e o estoque virtual esta incorreto.

Eu falo detalhadamente sobre isso no bate papo do varejo ( podcast ) >  https://www.youtube.com/watch?v=0Iyu2kl-NdQ&index=12&list=PLXxctCPB4DWZL07ZwQEjEYrMHoSfIra-r

O não abastecimento das gondolas aparece em 62,2% das causas acontecem nas lojas, estoque virtual ou negativo (quando não há nota cadastrada por erro operacional, mas o pedido foi entregue) sem ajuste no inventário. Quando auditados os itens sem venda com estoque positivo, confirmou-se que 41% dos produtos estavam realmente presentes no estoque. E em modesta pesquisa da evarejo em seus clientes este numero pulou para 43% quando se fala que os produtos estavam no deposito e não se encontravam na loja. Já os outros 37,8% são problemas referentes aos fornecedores, como frequência de entrega e quantidades incorretas.

O mais interessante, e se não assustador, que o estudo indicava que quando a pessoa não encontrava o produto na gondola ele tinha reações apresentadas como: 28,8% compra outra marca; 25,6% vai a outro supermercado; 21,8% não compra nesse dia; 14,3% compra outro produto; e 9,4% leva outra apresentação. Nesse último caso, o consumidor queria comprar o suco com 100 ml, por exemplo, não achou e acabou levando o de 50 ml. Isso significa que o tíquete médio da loja caiu representativamente.

E para fechar a mesma pesquisa apresentou o Bazar com a maior ruptura cerca de 22,1%, e a seção de Alimentos e Bebidas obteve o menor índice, 12%. Talvez porque não preocupamos com produtos que não giram dentro de nossas lojas e sempre montamos processos de controle efetivo de estoque rotativo nos produtos de alto giro, além do acompanhamento incomum dos fornecedores de bebidas no combate as faltas dentro das lojas de seus clientes.

Se gostou desta defesa da pesquisa apresentada pela accera eu sugiro que compartilhe com seus contato e ajude o varejo a melhorar o seu combate as rupturas.

Escute também meu “podcast” sobre rupturas de loja: https://www.youtube.com/watch?v=0Iyu2kl-NdQ&index=12&list=PLXxctCPB4DWZL07ZwQEjEYrMHoSfIra-r

Ederson Varejo

https://www.facebook.com/evarejoedersonvarejo/

Deixe uma resposta